Loading
Loading

:: Izak.pt ::

Also known as Mozack!

Desculpem-me os incomodados…

Nos últimos dias, nas televisões nacionais e redes sociais só se tem falado da vinda dos Sírios para a Europa.

Hoje, venho dar a minha opinião sobre aquele que tem sido o assunto do momento. As opiniões dividem-se e, mais uma vez, vêem-se as massas a seguir os caminhos do coração em vez de fazerem o simples sacrifício de pensar e seguir assim a razão.

Há cerca de dois meses atrás não se falava noutra coisa que não a crise, hoje, não se importam de mais sacrifícios para ajudar aquele povo (que nada tenho contra). Talvez, mais uma vez de maiorias falamos, as mesmas pessoas que atiravam pedras à política, hoje ignoram o facto de não terem dinheiro pra comer para poderem ajudar os Sírios.

Infelizmente, quando falamos em massas, falamos em conjuntos de pessoas que seguem outras, ou opiniões de outras, e que não param para pensar por elas próprias… 

Veja-se, por exemplo, dois restaurantes: um cheio, outro vazio: a maioria irá para a fila do restaurante que está cheio, isso porque o primeiro pensamento será: Se toda a gente lá vai, é porque é melhor…

Pois bem, o que é que o aparte anterior tem a ver com a Síria? A mesma coisa, um monte de gente que segue alguém e o seu idealismo, que talvez se focou na triste imagem do menino morto na praia (bastante triste por sinal), mas que se esqueceu de pensar nas consequências da ajuda que iremos dar. Alguém pensou com o coração, e um monte de gente que nem sequer se deu ao trabalho de pensar (de forma nenhuma), seguiu…

Quem não se lembra da imagem do menino com o abutre atrás? Quantos sabem o que aconteceu ao menino? O que aconteceu passados 1 ou 2 meses daquela imagem aparecer? A resposta é simples: caiu no esquecimento… 

Menino com abutre

MAS: será que as pessoas não continuam a saber que se passa fome no mundo? Porque pararam de ajudar?

Sou a favor da liberdade de movimentos, a favor dos que se esforçam por uma vida melhor, a favor de quem vai e vem com o objectivo de melhorar a vida. Sou a favor da liberdade de expressão e de um mundo melhor pra mim, para os meus e pra todos…

Sou a favor do empreendedorismo, sou a favor de políticas livres e com direitos de liberdade para novas ideias, coisas que ajudem pessoas (individualmente) e países como um todo.

Sou a favor que os estados/governos intervenham o menos possível na vida individual MAS que permitam que o indivíduo consiga planear e precaver-se para o futuro (libertando, por exemplo, a carga de impostos).

Não sou a favor de “rémoras” do governo ou de pessoas que fazem a vida a contar com ajudas do estado.

Não sou a favor dos entraves burocráticos ao empreendedorismo e ao desenvolvimento individual.

Não sou a favor dos impostos que somos obrigados a pagar devido a este sistema falhado que é o estado pensar que é o Robin dos Bosques e tira a uns pra dar a outros, já vimos que não funciona…

Mais um aparte que nada parece ter a ver com a vinda dos Sírios para a Europa mas que no fundo… Tem.

Não serão daqui a uns tempos essas pessoas “rémoras” do estado? Qual será o resultado se ao passearem nas nossas ruas virem uma imagem de uma cruz, num sítio qualquer? Nós que somos tão católicos é tão ligados a simbolismos…

Terei eu ou a minha família capacidade para mais sacrifícios? E se não tiver, vão ajudar-me da mesma forma? E se não, porquê?

Sou a favor da vinda de qualquer povo para o nosso país, desde que venham com a vontade de se integrarem na nossa sociedade, com vontade de cumprirem as nossas leis, com vontade de pagar os nossos impostos e, principalmente, que se sintam capazes de fazer mais e melhor pelo país que os acaba de acolher…

É triste saber que existem pessoas que passam por situações como a deles, mas, talvez a ajuda que eles realmente precisem nem seja a de entrar em países de culturas completamente diferentes das deles, mas sim, alguém que os ajude a livrarem-se de extremismos que eles próprios cultivam…

Lamento se feri alguém directa ou indirectamente. Lamento se não fui capaz de me expressar como gostaria. Lamento se fui mal interpretado.

Todos são bem-vindos a Portual, desde que tenham como objectivo integrar-se na sociedade…

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that.

By Daniele Zedda • 18 February

← PREV POST

By Daniele Zedda • 18 February

NEXT POST → 34
Share on
2007 - 2017 © izak.pt Todos os direitos reservados.